"Diz a tarde: 'Tenho sede de sombra!' Diz a lua: 'Eu, sede de luzeiros.' Eu tenho sede de aromas e sorrisos, sede de cantares novos sem luas e sem lírios e sem amores mortos. Um cantar de manhã que estremeça os remansos quietos do pivor. E encha de esperança suas ondas e seus lodaçais." Federico Garcia Lorca

Google

19 de jul de 2011

CIDADANIA , HOMOFOBIA E DIVERSIDADE SEXUAL

PARCERIA EM AÇÃO

O Museu Histórico Nacional / Projetos Sociais e a Associação Ser Cidadão convidam para a Palestra: Cidadania, Homofobia e Diversidade Sexual, a realizar-se no dia 25 de agosto de 2011, às 9h30m, no Auditório do Museu Histórico Nacional.

Praça Marechal Âncora, s/n – Centro – Rio de Janeiro, RJ
Próximo a Praça XV – Estacionamento no Local.


APOIO: CRAS RENASCER/ANDARAI
Programação:9:30h - Coffee Break.
10h - Exibição do vídeo: Levante sua voz
10h30 - Palestra com Sergio Camargo, Assessor Chefe de Gabinete da Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual da Prefeitura do Rio, advogado, Mestre em Direito e Economia, Professor de Direito Administrativo da EMERJ, Especialista em Direito Homoafetivo e Concurso Público.
DEBATE – mediação do Técnico Comunitário e professor Jenesis Genuncio.
12H - Vídeo e visita às exposições do Museu Histórico Nacional.

Público alvo: Educadores Sociais, Coordenadores de Projetos Sociais.
Resumo da Palestra:
Serão abordadas questões envolvendo evolução do Movimento Social LGBT; atuação das administrações públicas no Brasil; evolução jurisprudencial até a decisão do STF em maio de 2011; a criação de órgãos no executivo de defesa da diversidade; a omissão do legislativo nacional e o surgimento do Direito Homoafetivo.


Ficha de Inscrição

Nome:
Endereço:
Bairro: CEP:
Telefone: Cel.:
E-mail:
Instituição:
Formação:
Dados da Instituição
Nome:
Endereço:
E-mail:
Telefone:

Enviado por: Thais Ferreira.

15 de jul de 2011

CURSO ELABORAÇÃO E GESTÃO DE PROJETOS SOCIAIS - GRÁTIS.

Nome do Curso: Saber comunitário: elaboração de projetos sociais.

Local: SESC Ramos

Professoras: Maria Cristina Salomão e Nilza Rogéria.

Inscrições a partir de 20 de julho pelo telefone: 2290 3836 - terça a sábado das 9 às 17 horas.

Datas do curso: 19- 26 de agosto.(tarde)
2- 9 - 16- 23 - 30 de setembro (tarde)

Enviado por: Jayvane Quirino

5 de jul de 2011

JUVENTUDE ATRÁS DAS GRADES: A REALIDADE DOS ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI NO BRASIL.

No período em que se comemoram os 21 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), o atendimento socioeducativo continua a ser um dos maiores desafios da consolidação de uma política consistente de Direitos Humanos no Brasil. Especialistas alertam que os programas voltados às medidas socioeducativas em meio aberto também precisam de mais investimentos

De acordo com o mais recente Levantamento Nacional do Atendimento Socioeducativo ao Adolescente em Conflito com a Lei, existem hoje no Brasil 12.041 adolescentes cumprindo medida de internação (o que representa um crescimento de 4,50%), seguidos de 3.934 em internação provisória e 1.728 em cumprimento de semiliberdade.

A pesquisa, coordenada pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), mostra que em 2010 houve uma quebra da tendência de queda no número de internações que vinha ocorrendo desde 2007.




Como mostra a tabela abaixo, proporcionalmente, o DF lidera o ranking de jovens que se encontra em medida de restrição da liberdade com 29,6 internados para cada dez mil adolescentes, seguido do Acre com 19,7 e São Paulo com 17,8.

É absoluta a prevalência de adolescentes do sexo masculino em situação de cumprimento de medida socioeducativa de internação e em situação de internação provisória. O índice é de 94,94%.




A Constituição Federal determina que as crianças e os adolescentes recebam tratamento prioritário por parte do Estado e da sociedade em geral. As determinações entre os artigos 112 e 130 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), em vigor desde 1990, reafirmam a necessidade de oferecer atenção diferenciada a essa parcela da população quando envolvidas em atos infracionais.

Apesar dos avanços registrados nas últimas décadas, o Brasil ainda convive com graves violações de direitos nas unidades de internação socioeducativa. É fundamental avançar na definição de uma política de atendimento que garanta estruturas, procedimentos e recursos humanos e orçamentários adequados em todas as fases do processo, desde a prevenção, a captura, o julgamento e a ressocialização.

Levantamentos do Conselho Nacional de Justiça apontam ocorrência de graves violações de direitos nas unidades de atendimento, como ameaça à integridade física, violência psicológica, maus-tratos e tortura, além de negligência relacionada ao estado de saúde dos adolescentes. Há ainda denúncias de jovens privados de liberdade em locais inadequados, como delegacias, presídios e cadeias.

Estima-se que só no estado de São Paulo – localidade que concentra 42% dos adolescentes em cumprimento de regimes em meio fechado no País – existam ao redor de 1.787 jovens que não deveriam estar em medida socioeducativa de internação, pois seus casos contradizem ou não preenchem os requisitos constantes do artigo 122 do ECA.

A estrutura das unidades continua, por tanto, a ser uma questão relevante. A rede física atual, segundo o levantamento da SDH/PR, está composta por 435 unidades, sendo 305 para atendimento exclusivo de programas. A situação de precariedade é seria em muitas instalações, sendo mais evidente na região Nordeste onde os estados do Ceará, Paraíba e Pernambuco apresentam superlotação com taxas acima da capacidade em 67,81%, 38,21% e 64,17%, respectivamente.

Internar ou não internar? Eis a questão
Segundo o advogado e presidente da Fundação Criança de São Bernardo do Campo, Ariel de Castro, as medidas socioeducativas de maneira geral são mal aplicadas no Brasil, havendo uma tendência excessiva à internação dos adolescentes, mesmo em casos de atos infracionais cometidos sem uso de violência. “Diante da dita comoção popular, o Judiciário tem se curvado à pressão da opinião pública e aplicado a internação como a principal medida e não como exceção, conforme prevê a Lei”, avalia. Castro lembra que o Poder Judiciário e o Ministério Público não são os únicos responsáveis pela aplicação inadequada das medidas. Ele afirma que grande parte dos programas de atendimento socioeducativo em meio aberto – executados por prefeituras e organizações não governamentais (ONGs) – está em situação precária de funcionamento. “O ECA prevê a municipalização das medidas em meio aberto há 21 anos e mesmo assim a maioria das cidades lamentavelmente não possui esse tipo de serviço”, explica.

A ausência de vagas em unidades de semiliberdade também seria um fator agravante, pois, segundo Ariel de Castro, esta alternativa nunca foi considerada prioridade para os governos estaduais. Contudo, os dados da SDH mostram um crescimento da população de adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa de semiliberdade, passando de 1.234 em 2006 para 1.728 em 2010.

Para conhecer práticas promissoras de execução de medidas em meio aberto, veja apublicação com os ganhadores da terceira edição do prêmio Socioeducando que promovem a SDH/PR, UNICEF e a ANDI.

Drogadição e saúde mental
Estudo da SDH do ano 2009 chama a atenção ainda para um aspecto importante, porém pouco debatido no âmbito das medidas socioeducativas: o tratamento voltado aos adolescentes em caso de drogadição e transtornos psiquiátricos. O ECA prevê medidas especiais com essa finalidade, em que devem ser consideradas as peculiaridades de cada situação e a vinculação desses problemas com o ato infracional. Algumas dificuldades, como o preconceito e a falta de capacitação profissional no atendimento aos adolescentes, são apontadas como entraves na reinserção social dos que necessitam de tratamento terapêutico.

O Estatuto define dois tipos diferentes de acompanhamento nesses casos: o regime hospitalar, que envolve a internação do paciente sob requisição de um laudo médico, e o regime ambulatorial, em que o paciente permanece em convívio familiar e comunitário, frequentando periodicamente os serviços de atendimento psicossocial. Contudo, Ariel de Castro afirma que, embora tenha viajado boa parte do país para conhecer unidades de internação, nunca encontrou atendimento adequado aos adolescentes dependentes químicos ou com sofrimento psíquico. “Os programas e serviços não estão devidamente preparados e estruturados, principalmente em tempos de epidemia do uso de crack”, ressalta.

Propostas do SINASE
Com o objetivo de dar uma nova perspectiva ao cumprimento das medidas socioeducativas no Brasil, está em tramitação no Congresso Nacional o Projeto de Lei 1.627/07, que institui o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (SINASE). A iniciativa, que tem como relator o senador Eduardo Suplicy, busca estabelecer um marco regulatório no País, organizando os princípios de natureza política, administrativa e pedagógica para o adequado funcionamento dos programas socioeducativos de atendimento ao adolescente em conflito com a lei.

Um dos principais focos da proposta é assegurar a co-responsabilidade da família, da comunidade e do Estado, articulando os três níveis de governo. Além disso, o Sistema busca estabelecer parâmetros nacionais que priorizem a execução de medidas em meio aberto em detrimento das restritivas de liberdade, a serem usadas em caráter de excepcionalidade.

Na opinião da coordenadora do Programa de Proteção dos Direitos da Criança e do Adolescente do escritório do Unicef no Brasil, Casimira Benge, a importância da implantação do SINASE está em orientar estados e municípios na formulação de políticas sintonizadas com todas as recomendações nacionais e internacionais de direitos humanos em matéria de justiça juvenil.

Segundo ela, algumas recomendações do Sistema merecem destaque, como a prioridade dada às medidas em meio aberto, as regras para a construção dos centros de internação e a qualificação das equipes de atendimento. “O SINASE possibilita a harmonização e unificação de procedimentos, evitando que cada estado da Federação adote uma política desvinculada das diretrizes nacionais”, afirma.

Profissionalizando os atores
O projeto pretende enfatizar a articulação de políticas intersetoriais e a constituição de redes de apoio, a fim de garantir o direito à convivência familiar e comunitária dos adolescentes autores de atos infracionais. Ele estabelece ainda as competências dos Conselhos de Direitos da Criança e do Adolescente, que devem estabelecer diálogo direto com os demais atores integrantes do Sistema de Garantia de Direitos, como o Poder Judiciário e o Ministério Público.

A coordenadora geral do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo da SDH/PR, Thelma Oliveira, afirma que existem outros tipos de políticas públicas sendo executadas com o objetivo de romper a tradição assistencial e repressiva no atendimento dos adolescentes em conflito com a lei. Segundo ela, a Secretaria está elaborando uma proposta de regularização da profissão do socioeducador, com curso de formação a ser desenvolvido pelo Ministério da Educação com apoio de instituições de ensino superior. A SDH também apoia projetos de justiça restaurativa e o fortalecimento dos programas em meio aberto. “É preciso superar problemas como o quadro de profissionais pouco preparados para a ação socioeducativa, a proposta pedagógica incipiente e a prevalência de uma cultura prisional na aplicação das medidas de internação”, destaca.

O advogado Rodrigo Puggina, do Instituto de Acesso à Justiça, acredita que há uma inversão no que deveria ser o foco dos debates envolvendo as medidas socioeducativas. Para ele, a prevenção feita por políticas públicas é mais barata e eficaz do que a repressão. “Se não nos preocupamos com essas pessoas por um ideal de direitos humanos, que seja, então, por outra razão: os jovens que estão lá sairão um dia e nós temos que decidir como quere- mos que eles saiam”, conclui.
Fonte: Portal Andi - 04/07/2011

Enviado por: Thais Ferreira.

28 de jun de 2011

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 01/2011 – SDH/PR SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS VOLTADOS PARA POLÍTICAS NO ÂMBITO DA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS.

A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República – SDH/PR torna público o Edital de seleção de projetos para que os interessados possam apresentar propostas, com objetivos que se coadunem com os programas e ações desta Secretaria, nos termos da Portaria Interministerial n.º 127, de 29 de maio de 2008, dos Ministros de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão, da Fazenda e do Controle e da Transparência, do Decreto n.º 6.170, de 25 de julho de 2007, da Lei n.º 9.790, de 23 de março de 1999, da Lei n.º 12.309, de 09 de agosto de 2010, e nas condições e exigências estabelecidas neste Edital, aplicando-se ainda, no que couber, os dispositivos da Lei n.º 8.666, de 21 de junho de 1993.

Fonte: http://www.direitoshumanos.gov.br/2011/04/edital-de-chamada-publica-no-01-2011-sdh-pr

Enviado por: Thais Ferreira.

20 de jun de 2011

MANIFESTO DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE RUA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CONTRA AS OPERAÇÕES DE RECOLHIMENTO

Considerando a prática do recolhimento da população que se encontra em situação de rua, adotada historicamente pelo Poder Público do Rio de janeiro, como uma prática arbitrária e desumana, que faz uso da força e violência policial para retirar pessoas que estão em situação de abandono nas ruas;

Considerando a RESOLUÇÃO SMAS Nº 20 DE 27 DE MAIO DE 2011, que cria e regulamenta o Protocolo do Serviço Especializado em Abordagem Social, tendo em seus objetivos o recolhimento compulsório de crianças e adolescentes em situação de rua na cidade do Rio de Janeiro, uma resolução que viola a Constituição Federal, o Estatuto da Criança e do Adolescente e a Lei de Saúde Mental, dentre outras;

Considerando que a citada resolução infringe as diretrizes estabelecidas na Política Municipal de Atendimento às Crianças e Adolescentes em Situação de Rua, deliberada pelo CMDCA Rio em 2009, crianças e adolescentes reunidos no Fórum de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua, realizado no dia 15 de junho de 2011, por 16 ONGs que integram a Rede Rio Criança*, denunciam e reivindicam:

- Nós, crianças e adolescentes em situação de rua denunciamos as operações de recolhimento, feitas na cidade do Rio de Janeiro pela Prefeitura do Rio, todas feitas de forma violenta pela polícia, que chegam batendo, agredindo, e nos levam para a delegacia como se fôssemos bandidos, e para abrigos que não adiantam de nada. O que adianta tirar as pessoas da rua e não oferecer nada melhor? Antes de recolher tem que ter um Plano que ofereça melhores condições de vida para as pessoas.

- Denunciamos os policiais que levam nosso dinheiro, levam tudo o que a gente tem.

- Denunciamos a forma como os policiais entram nas comunidades, dando tiro, achando que todo mundo é bandido. Eles não respeitam as pessoas.

- Denunciamos a forma como tratam as pessoas que fazem uso de droga, pois em vez de tratarem, reprimem e dopam a gente. Eles ficam só em cima dos “cracudos” e têm muita gente morrendo de overdose por outras drogas.

- Denunciamos a clínica de Barra Mansa, Casa Reviva, que dopam a gente o dia todo e ainda nos amarram na cama.

- Denunciamos o tipo de tratamento nas clínicas para tratamento de drogadição, que dão remédios e não nos oferecem outras atividades. O tratamento é importante, mas é tudo fogo de palha, é tudo por causa da Copa; estão apenas maquiando a cidade.

- Denunciamos o DEGASE (Instituto Padre Severino), pois eles batem, esculacham os adolescentes lá dentro, oprimem o menor. E também pegam o dinheiro das famílias quando vão visitar. As pessoas saem pior do que quando entraram.

- Nós reivindicamos que tem sim que acabar com a cracolândia, mas tem que dar um tratamento digno. Tem que levar as pessoas para um local que oferecesse alguma coisa melhor, escolas, estágio, profissionalização.

- As pessoas que estão na rua têm que ser repeitadas, tem que dar outra alternativa, e não cadeia.

- Tem que ouvir as pessoas, e não ficar agindo por elas. Tem que saber o que elas querem, o que precisam.

- Tem que ter escuta, afeto, cuidado, e não repressão.

- A polícia e a prefeitura devem selecionar melhor as pessoas que abordam, não pode colocar pessoas despreparadas.

- Queremos, enfim, que nos tratem como pessoas que somos, e que respeitem nossos direitos.


* Instituições que integram a Rede: Associação Beneficente Amar, Associação Beneficente São Martinho, Associação Brasileira Terra dos Homens – ABTH, Associação Childholpe Brasil , Associação Excola, Banco da Providência, Casa do Menor São Miguel Arcanjo, CEDECA RJ, Centro de Teatro do Oprimido – CTO, Centro Internacional de Estudos e Pesquisas sobre a Infância (CIESPI), Criança Rio, Fundação Bento Rubião, Movimento Nacional de Meninos e Meninas de Rua, Organização de Direitos Humanos Projeto Legal, REMER e Se Essa Rua Fosse Minha.


Enviado por: Jayvane Quirino.

SEMINÁRIO: O CRAQUE E A SOCIEDADE PARTIDA. UMA RESPONSABILIDADE DE TODOS NÓS.


Enviado por: Jayvane Quirino.

18 de jun de 2011

"PELA UNIFICAÇÃO DAS LUTAS!"

o Fórum de Saúde do Rio de Janeiro convoca para o Ato em frente Prefeitura do Rio de Janeiro (Rua Afonso Cavalcanti, 455 - Cidade Nova), dia 22 de junho, a partir das 10 horas.
Contra a precarização da rede de saúde pública carioca. Por saúde pública 100% estatal, gratuita e de qualidade para todos.
Obs: segue abaixo a Nota à imprensa referente ao Ato.


O Fórum de Saúde do Rio de Janeiro realizará um ato contra o sucateamento e a privatização do Sistema Único de Saúde (SUS) no dia 22 de junho.
O Fórum de Saúde do Rio de Janeiro que articula diversos movimentos sociais, sindicatos, partidos políticos, centrais sindicais, usuários, trabalhadores da saúde e setores da comunidade acadêmica, realizará mais um ato contra o sucateamento e a privatização do SUS em curso em todo o país.
A situação atual da rede pública carioca inclui a falta de investimento de recursos materiais, subfinanciamento, precarização de vínculo de trabalho e quantidade insuficiente de trabalhadores de saúde que afetam o conjunto do sistema público de saúde, nas diferentes esferas (federal, estadual e municipal).
O Fórum de Saúde do Rio de Janeiro denuncia o descaso com os hospitais, tais como: o IASERJ, o Hospital da Piedade, e também a desativação parcial e ameaça de fechamento total de serviços de saúde como: Hospital Municipal Raphael de Paula Souza, em Curicica, PAM de Irajá e PAM Del Castilho. O difícil quadro dos serviços públicos de saúde é resultado de uma estratégia dos governos federal, estaduais e municipais para a entrega do setor saúde à iniciativa privada.
Deste modo o ato do dia 22 de junho, visa denunciar a situação de abandono e a privatização da saúde pública, especialmente da rede municipal. Privatização expressa pela entrega da gestão das unidades de saúde às Organizações Sociais (OS), como ocorre no Programa de Saúde da Família (PSF), e tentativa de aplicar este modelo de gestão privada nas emergências dos seguintes hospitais municipais: Souza Aguiar, Salgado Filho, Miguel Couto e Lourenço Jorge.
O Fórum de Saúde do Rio de Janeiro integra a Frente Nacional Contra Privatização da Saúde, um espaço de articulação nacional entre fóruns de saúde locais, movimentos sociais e sindicais e partidos políticos. Esse movimento defende a completa estatização do SUS, com assistência universal, gratuita, de qualidade, integral e equânime sob um efetivo controle social e concursos públicos.
Dentre as frentes de intervenção está a Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 1923 contrária a Lei n.º 9637/98 que cria as Organizações Sociais (OS) movidas junto ao Supremo Tribunal Federal. Para fortalecer essa luta a Frente Contra a Privatização da Saúde fez circular um abaixo-assinado on-line pela procedência da ADI 1.923/98 (com cerca de 5.700 signatários) e uma Carta aos Ministros do STF com 317 assinaturas de entidades.
O Fórum de Saúde do Rio de Janeiro convida a população e os trabalhadores da saúde a participar do ato em defesa da saúde pública 100% estatal, gratuita e de qualidade para todos, que será realizado no dia 22 de junho a partir das 10h, em frente à Prefeitura do Rio de Janeiro, na Rua Afonso Cavalcanti nº 455, Cidade Nova.
SOS saúde!
Pela unificação das lutas!


--
Equipe Técnica Pela Saúde
Coordenação Profª Drª Maria Inês Souza Bravo
www.pelasaude.blogspot.com

17 de jun de 2011

IMPORTANTE!!!

INCA PEDE SOCORRO!!!

Quem tiver contatos no RJ, por favor, retransmitir a mensagem. É importante.
O INCA - Instituto Nacional do Câncer - fica na Praça da Cruz Vermelha - 23, no Centro do Rio.

Repasse a mensagem para quem vocês puderem, pois a situação do Instituto Nacional do Câncer é realmente dramática. Eles não têm sangue, nem doadores. Já saíram notas nos jornais e pouco adiantou.
O Instituto Nacional do Câncer - INCA - está precisando urgentemente de doadores de sangue.
O banco de sangue está quase vazio e o Hospital enfrenta dificuldades, até para marcar cirurgias, muitas vezes, precisando recorrer a outros bancos de sangue da cidade, que também passam pela mesma dificuldade: falta de doadores.
A transfusão de sangue para pessoas com câncer é muito importante.
Sem ela, muitos pacientes não conseguiriam sobreviver aos tratamentos que envolvem drogas pesadas.
Para doar, basta chegar na portaria do Hospital com sua carteira de identidade ou qualquer documento similar, apresentando- se como doador.

NÃO vá em jejum, alimente-se de coisas leves e não gordurosas (evite derivados de leite), evite o álcool por pelo menos 12 horas.
Você deve estar em boas condições de saúde, ter entre 18 e 60 anos e pesar 50kg ou mais.
Esta mensagem pode alcançar muitos doadores, se você enviar agora para outros endereços.
Por favor, colabore. Faça a sua parte! Muitas vidas agradecem.


OBS: Mesmo que você não possa ou não esteja interessado em realizar a doação não deixe de repassar essa mensagem para seus amigos.
É uma causa importante, todos podem colaborar de alguma maneira.


ENDEREÇOS - RJ:

Hospital Universitário Graffree e Guinle
Rua Mariz e Barros, 775 -Tijuca - Rio de Janeiro - RJ CEP: 22290-240


Hospital Mário Kroeff - Associação Brasileira de Assistência ao Câncer Rua Magé, nº326 - Penha Circular - Rio de Janeiro-RJ
CEP 21020-130

Instituto Nacional de Câncer - INCA - Hospital do Câncer I
Pça. Cruz Vermelha, 23 - Centro - Rio de Janeiro - RJ CEP: 20230-130


Instituto Nacional de Câncer - INCA - Hospital do Câncer II
Rua Equador, 831 - Santo Cristo - Rio de Janeiro-RJ
CEP 20220-410



Instituto Nacional de Câncer - INCA - Hospital do Câncer III
Rua Visconde de Sta. Isabel, 274 - Vila Isabel -Rio de Janeiro-RJ
CEP 20560-120



Hospital Universitário Clementino Fraga Filho-UFRJ
Avenida Brigadeiro Trompowski, s/n - Ilha do Fundão - Rio de [WINDOWS-1252? ]Janeiro–RJ
CEP 21949-900



Hospital Universitário Pedro Ernesto - UERJ
Avenida 28 de setembro, 77 - Vila Isabel - Rio de Janeiro-RJ
CEP 20555-030


Instituto de Hematologia do RJ - Hospital de Hematologia - HEMORIO
Rua Frei Caneca, 8 - Centro - Rio de Janeiro-RJ
CEP 20211-030



Volta Redonda

Radiclin
Rua 26, nº3 - Vila Santa Cecília - Volta Redonda-RJ
CEP 27260-270
RIO DE JANEIRO



Campos

Hospital Geral Dr. Beda - Instituto de Medicina Nuclear e Endocrinologia LTDA.
Rua Conselheiro Otaviano, 129 - Centro - Campos-RJ
CEP 28010-272


Clínica Santa Maria Ltda.
Rua Conselheiro Otaviano, 195 - Centro - Campos-RJ
CEP 28010-140



Niterói

Hospital Universitário Antonio Pedro - UFF
Rua Marques do Paraná, 303 - Centro - Niterói-RJ
CEP 24030-210



Nova Iguaçu

Hospital Universitário de Nova Iguaçu
Avenida União, 673 - Nova [WINDOWS-1252? ]Iguaçu–RJ


Instituto Oncológico Ltda.
Rua Dr. Barros Junior, 1135 - Nova Iguaçu-RJ
CEP 26215-070

Enviado por: Thais Ferreira.

16 de jun de 2011

PACTO PELA SAÚDE

O Laboratório de Telessaúde da Uerj, em apoio ao COSEMS, estará disponibilizando o acesso pela Internet para a participação "ao vivo", com possibilidade de envio de perguntas e comentários pelo chat, no dia 18 de Junho, de todos os municípios do Estado do Rio de Janeiro.

Orientações para participar:

No dia do evento, clique no link: http://www.telessauderj.uerj. br/congresso.php

Escolha seu município,

Digite seu nome.


O acesso poderá ser realizado de qualquer computador com acesso à banda larga com velocidade mínima de 512kbps.


A programação está abaixo.


Em caso de dúvida enviar e-mail para suporte@telessaude.uerj.br

Cordialmente,

Equipe Telessaúde Uerj.


15 de jun de 2011

INFORME SAÚDE

Ano XIX – Período: Maio de 2011

TÍTULO: O perfil ético-político dos alunos de 6º período da FSS/UERJ frente à direção ético política e teórico-metodológica do Currículo Pleno do curso.
Neste Informe finalizaremos as apresentações dos achados do estudo realizado junto a alunos da Faculdade de Serviço Social (FSS/UERJ). O estudo faz parte das atividades realizadas no Núcleo de Estudos, Extensão e Pesquisa em Serviço Social(NEEPSS/UERJ). Apresentaremos dados do perfil ético-político dos discentes que cursam o VI período do curso. Para tanto, utilizamos dados coletados em uma das disciplinas do Curso (Processos de Trabalho do Serviço Social III), através de questionário composto por 21 variáveis. As variáveis expostas são “Por que escolheu o Serviço Social?” e “Mudou de opinião?”. Abaixo estão os dados e as análises realizadas no âmbito do NEEPSS:
Quando os estudantes são perguntados sobre o porquê da escolha do serviço social, a maioria das três turmas coloca a identificação com o trabalho do assistente social (Turma I - 56%, Turma II e III - 60%), salientando que alguns dos discentes expressaram outras formas de identificação, como pesquisas sobre a área, teste vocacional, aproximação com a área de ciências humanas e sociais, experiência de terem trabalhado com assistentes sociais, ou conversado com este a respeito de sua profissão. É importante observar que alguns respondem que tinham uma visão crítica da sociedade (Turma I – 20%, Turma II -10% e Turma III 7%). Podemos observar também nas respostas uma influência religiosa na escolha dos discentes pela profissão, e destacamos que a imagem do Serviço Social como um exercício benevolente e relacionado com a “ajuda” aos pobres ainda é muito forte na sociedade. Essa imagem posta socialmente na profissão influencia muitos alunos ao ingresso no curso, e tal ideário nos remete á gênese e a grande parte da história do
Serviço Social, onde se tinha uma forte vinculação confessional na profissão. Atualmente a profissão defende, de forma hegemônica, uma visão crítica da sociedade, com influência da teoria social científica. O posicionamento atual na profissão, bem como o desenvolvimento das referências teóricas no Serviço Social, é proposto pelas diretrizes curriculares da ABEPSS.
Tendo em vista o exposto acima, torna-se interessante perguntar aos alunos sobre uma possível mudança de opinião quanto à visão que tinham sobre o curso. Observamos que, na turma I, a maioria, 56%, diz que sim, que houve alguma mudança, já na turma II, 77% diz que não, como também na turma III, 57%. Alguns estudantes demonstram, mesmo tendo dito não, terem alterado sua opinião, quando afirmam que a sua visão sobre a profissão se ampliou, ou quando afirmam que foi acrescentado maior conhecimento sobre a sociedade capitalista possibilitando um pensamento crítico. Em meio às respostas, podemos também observar que uns elogiam a faculdade afirmando que o curso aumentou a sua capacidade de criação e conscientização política e social, enquanto outros criticam a faculdade em relação ao distanciamento da teoria acadêmica com a prática profissional. “Mudei de opinião quanto aos intelectuais do Serviço Social, que tem uma excelente
retórica, e uma prática incoerente com esta retórica.” (Discente - FSS/UERJ).
Diante do exposto, percebemos que muitos alunos que ingressam no Serviço Social têm uma visão caritativa, com vistas à ajuda e muitas vezes com valores messiânicos. Tal fato torna a formação assumida pela faculdade desafiadora e sendo imprescindível uma colocação crítica e reflexiva, para que estes discentes não saiam da Universidade como entraram, fato que favorece a reprodução das relações sociais capitalistas. Cabe à Academia, que possui um projeto pedagógico comprometido com os princípios defendidos pelo Projeto Ético-Político, contribuir e possibilitar aos estudantes uma desconstrução da visão profissional como caridade e ajuda.
Neste Informe estamos iniciando um novo quadro, onde serão colocados inícios de reportagens, pesquisas e discussões sobre o que está acontecendo no Brasil e no mundo a fim de fomentar maiores debates acerca da realidade.

· Construção civil: Os canteiros da ira
17/04/2011 Fonte: www.vermelho.org.br.
Março assistiu ao levante dos trabalhadores da construção civil em um conjunto de obras em vários estados. As greves envolveram 80 mil operários e sinalizam, a patrões que teimam em repetir formas de opressão típicas do “Brasil Grande” da época da ditadura militar, que o país mudou e os trabalhadores não aceitam mais maus-tratos, atrasos e faltas de pagamento, e exigem condições dignas de trabalho e renda.

· Hospital das Clínicas vai ampliar atendimento preferencial a plano privado
11/5/2011 09:55:00 Fonte: Agência de Notícias da Aids
O superintendente do Hospital, Marcos Jumio Koyama, afirmou que o dinheiro dos planos de saúde financiará melhorias no serviço gratuito do hospital. Mas médicos temem diferença de tratamento entre pacientes do SUS e os que têm convênios. Em fevereiro, ativistas do movimento de luta contra a aids entraram com uma representação no Ministério Público do Estado contra a lei complementar nº.1.131/2010, que direciona vagas nos hospitais do SUS para planos de saúde.

Psicologia Audiovisual
Debate "O Psicanalista e o Narcisismo
Profissional: Conseqüências e Desdobramentos no Cotidiano da Clínica", com: Edu Álvaro Manso Bastos, Leandro Alves Rodrigues dos Santos e Ricardo Goldenberg.
A ênfase no debate é uma forma de reconhecer as diferentes leituras das problemáticas sociais.
Data: 30/09/11
Horário: 19h às 21h
A participação é gratuita e a inscrição deve ser feita antecipadamente pelos telefones:
(11)3864-2330/3865-0017.
Informações: www.centropsicanalise.com.br

O INFORME SAÚDE
O Informe Saúde é um boletim mensal que traz aos profissionais de saúde, estudantes e
sociedade em geral, informações sobre saúde(Direitos, Acesso, Controle Social) e eventos
a serem realizados nesta área.
Conselho Nacional de Saúde Atividades e Convites - 2011
Inclusão e Acessibilidade, Um Direito de Todos e II Encontro Estadual de São Paulo da Organização Nacional de Cegos do Brasil – ONCB nos dias 23, 24 e 25 de junho em Itapetininga/SP.
Informações:
http://conselho.saude.gov.br/index.htm

CFF realiza II Oficina de Assistência Farmacêutica
A Comissão de Saúde Pública do Conselho Federal de Farmácia (CFF) realiza, nos dias 07 e 08 de
julho, em Brasília, a II Oficina Nacional de Assistência Farmacêutica. Com o tema: “Qualificação da assistência Farmacêutica no SUS: Acesso, humanização e Uso Racional de Medicamentos”, o objetivo do evento é contribuir para melhoria da Assistência Farmacêutica e reconhecer a atuação do farmacêutico nos diversos níveis de atenção à saúde preconizada pelo SUS.
Fonte:http://www.cff.org.br/noticia.php?id=665&titulo=CFF+realiza+II+Oficina+de+Assist %C3%AAncia+Farmac%C3%AAutica
XIX Congresso Brasileiro de Fisioterapia - AFB 2011 – Florianópolis
Será realizado em Florianópolis entre os dias 09/10/2011 e 12/10/2011 o XIX Congresso
Brasileiro de Fisioterapia.
Inscrições: http://www.coffito.org.br/

Sociedade Brasileira de Infectologia
IX Curso de Antimicrobianos da Teoria à Prática.
Data: 4 a 6/ago
Local: Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa - São Paulo/SP
Informações: tel.: (11) 3155-8800
E-mail: secretaria.iep@hsl.org.br
Site: www.hospitalsiriolibanes.org.br/iep/

V Congresso Brasileiro de Nutrição
Integrada (CBNI) e GANEPÃO 2011
Data: 15 a 18 de junho de 2011.
Local: Centro Fecomercio de Eventos em São Paulo.
Informações: http://www.ganepao.com.br
Tels: (11) 3284-6318 ramal 116
E-mail ganepao@ganep.com.br

Equipe: Coordenadora: Ana Maria de Vasconcelos; Apoio Técnico: Aline Maria Thuller de Aguiar; Valquiria Helena dos Santos Coelho; Mayana Silva de Souza; Renata Cristina Mendes Lima e Mariana Cordeiro Miranda. Bolsistas: Cinthia Assis; Juliana Ferreira Baltar; Marianna Amendola Borges, Aline Cristina da Silva Arcanjo; Brenda Gomes dos Santos; Elizabete Pacheco Gandra; Luciana da Conceição e Silva; Jacqueline Freire da Silva Rodrigues; Claudia Reis de Souza; Natalia C. Faro Rodrigues; Agatha Alves da Silva; Tamires da Silva Albuquerque; Vitória Monteiro Néri; Branca Rabelo de Lima; Kelly Marcelino da Silva, Monique Monteiro da Silva, Thamara Dólia Santos. Contato: 23340320 (ramal 203).
E-mail: pesquisa.saudeuerj@yahoo.com.br
Blog. http://neepss.blogspot.com/

POL Psicologia Audiovisual Para Conhecer Jacques Lacan
Esta série de trabalhos desenvolvida ao longo dos últimos 20 anos, possibilita ao espectador melhor conhecimento da vida e da obra dos psicólogos.
Dia: 04/06/2011
Horário: 9h30 às 12h
A participação é gratuita e a inscrição deve
ser feita antecipadamente pelos telefones:(11) 3864-2330 / 3865-0017.
Informações: www.centropsicanalise.com.br

9 de jun de 2011

FECHAMENTO DO INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT

Como poucos sabem, o MEC decidiu fechar até o final do ano o Instituto Benjamin Constant, uma Escola de Ensino Regular Especializada na Educação de Cegos, com turmas que vão desde a Estimulação Precoce até o 9º ano (antiga 8ª série) do Ensino Fundamental, e com atendimento especializado realizado com os reabilitandos (videntes - pessoas que enxergam - que ficaram cegos por alguma razão).

O fato saiu no jornal O Globo inclusive, mas não chegou a ser a grande notícia da semana, pois poucos sabem o significado da instituição para o país. Não somente querem fechá-lo, mas também ao INES (para surdos) e ir aos poucos acabando com as escolas especializadas em educação especial, qualquer que seja a necessidade.
Em nosso país o sistema de ensino não consegue suprir as necessidades dos alunos regulares, quem dirá dos especiais. Cansamos de ve r escolas com falta de material, falta de professores e que carecem de meios para que se tenha controle dos alunos e lhes ensinem valores morais já esquecidos na sociedade atual, e ainda entra em cena o "bullying" (palavra tão usada ultimamente) que emerge desta impotência moral iniciada no ambiente escolar.

No Instituto, as crianças se sentem parte de um todo, não sofrem preconceitos mas saem de lá prontas para enfrentá-los, prontos para enfrentar nosso mundo de videntes egoístas. Lá elas aprendem a andar sem cair ou bater em objetos, aprendem a comer, têm esportes específicos, desde pequeninos são estimulados. Alguns dos alunos inclusive passam a semana no Instituto, são alunos internos do Benjamin constant. Alguns alunos são Internos porque os pais não têm condições de levar e buscar, seja por dificuldades financeiras ou de trabalho (as aulas são em tempo integral). Com cuidadores para auxiliá-los a semana toda, dormitórios estruturados, refeições bem preparadas p elas "tias da cozinha" e elaboradas por nutricionistas.
Algumas crianças só têm na vida o Instituto. Posso parecer que estou exagerando, mas não é. A maioria das crianças não são somente cegas, algumas têm doenças degenerativas , ou seja, a doença vai piorando a um estado...que...enfim. No IBC é onde elas são aceitas e têm assistência de profissionais capacitados. Só tentar descrever pelo e-mail é complicado, aconselho que tirem um dia e visitem o Instituto. Estar presente e até mesmo fazer trabalho voluntário lá pode mudar o jeito que temos de ver a vida, e com sorte nos tornar pessoas melhores.
Essa luta não é por mim. É uma luta EXTREMAMENTE pelos alunos, pelo próximo!

Geralmente só percebemos diferentes situações fora de nosso círculo social quando nos afeta de alguma maneira. Quem tem alguém especial por perto sabe das dificuldades que enfrentamos, bate de frente com o preconceito, a desigualdade e o descaso que cai sobre eles.

Meu principal objeti vo com este e-mail é conscientizar as pessoas, principalmente os cariocas, da importância desse centro de referência para cegos de todo o Brasil. E é um motivo de orgulho para nós termos tal instituição que capacita tão bem seus alunos. Vamos lutar contra esse absurdo de fechar o IBC! Se quiser colaborar, agradecemos muito!
Abaixo assinado: http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=P2011N8365

Vamos repassar essa corrente de luta e amor ao próximo, por isso imploro para que repasse, por favor, para TODOS os seus contatos essa mensagem!
O Instituto Benjamin Constant fica na Av. Pasteur - Urca (Próximo a Botafogo, na calçada do campus Praia Vermelha da UFRJ e Unirio) caso queira conhecer.
e o site: http://www.ibc.gov.br/


Enviado por: Jayvane Quirino.

8 de jun de 2011

VI SEMINÁRIO INTERNACIONAL DIREITO E SAÚDE E X SEMINÁRIO NACIONAL DIREITO E SAÚDE DO DIHS




Ocorrerá nos dias 05 e 06 de Julho com o tema: "Construção do conhecimento e agir político".

Para se inscrever basta seguir as orientações do convite.

Att,
Mariana de Oliveira Estevo
Estagiária em Ciências Sociais - Dihs - Fiocruz
Tels.: 3882-9222 / 3882-9223

PROPICIAR O DIÁLOGO E A REFLEXÃO ENTRE ESTUDANTES DA UERJ





O NUDERG convida a todos para mais um grande evento, o objetivo é propiciar o diálogo e a reflexão entre estudantes da UERJ, bem como um exercício de síntese coletiva para aqueles que concluíram ou estão concluindo seus trabalhos, no âmbito dos cursos da UERJ.


Esperamos a participação de todos.



--
NUDERG (Núcleo de Estudo de Desigualdades e Relações de Gênero)

http://nuderg.blogspot.com/

5 de jun de 2011


http://paoerosas.blogspot.com/

Enviado por: Thais Ferreira

4 de jun de 2011

I COLÓQUIO SOBRE DIREITOS SEXUAIS DE CRIANÇA E ADOLESCENTE NO MARCO DOS DIREITOS HUMANOS

PROMOÇÃO:
Associação Brasileira de Magistrados, Promotores de Justiça e Defensores Públicos da Infância e da Juventude – ABMP;
Instituto WCF - Brasil;
Departamento de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio.

APOIO:
Associação Brasileira Terra dos Homens;
Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente – Cedeca - Rio de Janeiro;
Centro Latino-Americano em Sexualidade e Direitos Humanos - CLAM;
Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes;
ECPAT Brasil;
Faculdade Nacional de Direito;
Fundação Centro de Defesa Bento Rubião;
Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil – Fnpeti;
Grupo Interdisciplinar de Pesquisa da Subjetividade - Gips;
Instituto Alana;
Instituto Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil – Inpeti;
Instituto Promundo;
Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Intercâmbio para a Infância e a Adolescência; Contemporâneas - NIPIAC;
Organização Internacional do Trabalho - OIT;
Universidade Brasília - Violes;
Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ;
Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ;
Universidade do Rio de Janeiro – Unirio;
Secretaria Municipal de Assistência Social - RJ;
Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro.

DIAS / HORÁRIOS:
28 de junho, terça-feira, das 9 às 17h30;
29 de junho, quarta-feira, das 9 às 18h.

LOCAL:
Auditório Rio Dara Centro – PUC-Rio;
Rua Marquês de São Vicente, 225 | Gávea | Rio de Janeiro.

PROGRAMAÇÃO:
1º DIA | 28 de junho, terça-feira:
9h – 9h30 ABERTURA:
Representante da ABMP – Dra. Helen Chrystine Corrêa Sanches (presidente);
Representante do Instituto WCF - Brasil – Dra. Ana Maria Drummond (diretora executiva);
Exmo. Sr. Magnífico Reitor da PUC-Rio – Padre Josafá Carlos de Siqueira;
Exma. Sra. Diretora do Departamento de Psicologia da PUC-Rio – Dra. Elizabeth Ribeiro;
Representante da Comissão Organizadora – Dra. Maria America Ungaretti (coordenadora do projeto).

9h30 – 10h30 PALESTRA DE ABERTURA:
Sra. Maria do Rosário Nunes – Ministra dos Direitos Humanos (a confirmar);

10h30 – 13h MESA REDONDA:
Direitos de Crianças e Adolescentes no Campo da Sexualidade;
Debatedora: Lidia Levy Alvarenga – PUC-Rio;
Eduardo Rezende Melo – Juiz de Direito da Infância - SP;
Maria Luiza Heilborn – IMS / UERJ - RJ;
Esther Maria de Magalhães Arantes – PUC-Rio / Universidade do Estado do Rio de Janeiro - RJ.

13h – 14h INTERVALO PARA ALMOÇO.

14h – 17h30 MESA REDONDA:
Discutindo conceitos de abuso, exploração sexual, pedofilia e prostituição infantil e turismo sexual;
Debatedora: Maria Lúcia Leal – Universidade de Brasília - DF;
Josiane Rose Petry Veronese – Universidade Federal de Santa Catarina - SC;
Elder Cerqueira – Universidade Federal de Sergipe - SE;
Renato Roseno – Advogado. Militante dos Direitos da Criança e do Adolescente - CE.

PROGRAMAÇÃO:
2º DIA | 29 de junho, quarta-feira :
9h – 12h MESA REDONDA:
Diversificação das infâncias e adolescências na sociedade brasileira contemporânea de acordo com direitos sexuais e reprodutivos;
Debatedora: Karina Figueiredo – Universidade Católica de Brasília -Coordenadora do Comitê; Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes;
Mary Garcia Castro – Universidade Católica de Salvador - BA;
Anna Paula Uziel – Instituto de Psicologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - RJ;
Vanessa Leite – Centro Latino-americano em Sexualidade e Direitos Humanos / Instituto de Medicina Social da UERJ - RJ.

12h – 13h INTERVALO PARA ALMOÇO.

13h – 16h00 MESA REDONDA:
Os direitos sexuais e o enfrentamento da violência sexual;
Debatedora: Solange Jobim e Souza – PUC-Rio;
Pedro Paulo Bicalho – Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro - RJ;
Rita Ippólito - Especialista nos Direitos da Criança e do Adolescente - RJ.

16h00 – 17h SISTEMATIZAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES:
Esther Maria de Magalhães Arantes – PUC-Rio;
Lidia Levy Alvarenga – PUC-Rio;
Maria America Ungaretti – ABMP-SP;
Solange Jobim e Souza - PUC-Rio.

17h – 18h ENCERRAMENTO:
Universidade Federal do Rio de Janeiro;
Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro;
Frente Parlamentar Mista dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes.

SINOPSE DO EVENTO:
A realização deste evento tem como prioridade suscitar o debate e sistematizar conceitos sobre autonomia, proteção e participação de crianças e adolescentes em relação aos seus direitos sexuais e reprodutivos para fomentar políticas públicas e gerar recomendações para a área jurídica. Busca também oportunizar a criação de um Fórum Permanente para o fortalecimento de ações relativas aos direitos sexuais e ao enfrentamento à violência sexual contra crianças e adolescentes no quadro dos megaeventos esportivos a serem realizados no Brasil, em especial, no Rio de Janeiro.
Sexo, sexualidade e direitos sexuais de crianças e adolescentes, e direitos reprodutivos de adolescentes, são assuntos naturalmente polêmicos, muito falados e pouco compreendidos.
Este Colóquio representa a primeira iniciativa de um processo que deverá prosseguir, envolvendo todos os segmentos da sociedade brasileira, mas, principalmente, as crianças, os adolescentes, os jovens e suas famílias, criando parcerias e compromissos com ações e produção do conhecimento de pesquisas acadêmicas encarregadas da promoção dos direitos de crianças e adolescentes.

Inscrições gratuitas pelos emails: cintiapsicologia_51@hotmail.com ou cintiapsicologia_51@hotmail.com.

20 de mai de 2011

ENCONTRO COMEMORATIVO PELO DIA DO ASSISTENTE SOCIAL

Convidamos todos os interessados a participarem do Encontro Comemorativo pelo Dia do Assistente Social, promovido pelo PREVI-RIO, com a realização de um debate sobre o tema “acolhimento familiar de crianças e adolescentes: o processo de adoção e o programa família acolhedora”.
A mesa do debate será composta pela Assistente Social da Vara da Infância, da Juventude e do Idoso da Comarca da Capital, Vera Motthé Fernandes e pelas Assistentes Sociais Carla Botelho e Renata Rocha do Programa Família Acolhedora da Secretaria Municipal de Assistência Social - SMAS.
O objetivo do evento é promover o intercâmbio profissional, a troca de informações e a socialização de experiências no âmbito da proteção social pública.
O evento está programado para o dia 25/05/2010, quarta-feira, às 15 horas, no auditório do Prédio I do Centro Administrativo São Sebastião – Rua Afonso Cavalcanti n° 455, térreo – Cidade Nova.
Para realizar a inscrição basta entrar em contato pelos telefones 2293-7054, 2976-3739 ou pelo e-mail servicos@pcrj.rj.gov.br.
Equipe do Serviço Social
DIP/GAT-1 / PREVI-RIO

Enviado por: Thais Ferreira.

CAMINHADA PELA ADOÇÃO

ADOÇÃO: LEGAL, SEGURA E PARA SEMPRE!

Contamos com a sua participação no dia 29/05/2011 (DOMINGO), concentração às 09:30, na Praia de Copacabana - POSTO 6 - Rio de Janeiro/RJ, para a CAMINHADA DA ADOÇÃO.

TEMOS UMA BOA NOTÍCIA PARA VOCÊ: Na sede do Quintal de Ana sairá um ÔNIBUS para a Caminhada, às 08h30min. Basta você entrar em contato conosco e confirmar a sua presença no ônibus: (21) 2622-6968 / (21) 2613-2042 / e-mail: info@quintaldeana.com.br

Sede do Quintal: Avenida Roberto Silveira, 123, Icaraí - Niterói (Prédio da Associação Médica Fluminense)

Venha lutar pelo direito de toda criança estar em uma família capaz de amar e de cuidar.

Traga a sua família e amigos para juntos, nesta caminhada, mostrarmos a força da nossa luta!

Aproveitamos para solicitar o seu apoio na divulgação desta Caminhada repassando para os seus familiares e amigos o cartaz que segue anexo.

Para maiores informações: (21) 2622-6968 / (21) 2613-2042.

Enviado por: Thais Ferreira.

18 de mai de 2011

CAPACITAÇÃO:VIVENCIAL PARA PROFISSIONAIS QUE TRABALHAM COM JOVENS E FAMÍLIA: 30º edição do CURSO REGESTAÇÃO

Como trabalhar temas atuais que inquietam o mundo?
Como fazer de cada espaço de atuação um local de multiplicação para uma nova mentalidade através da nossa responsabilidade humana?
Como desenvolver um programa dinâmico nas ONGs,Instituições públicas, escolas, comunidades e demais instituições que atuam com as famílias e os jovens?
Palestras informativas são suficientes?
A discussão de valores é básica? * Discutir limites com os jovens é importante?
Qual a importância dos Diretos Humanos como norteador de qualquer projeto?
Basta apenas trabalhar com o externo?
Teremos que iniciar uma mudança individual?
Qual a responsabilidade das políticas Públicas?

Já foram formadas 30 turmas de 2003 a 2009 no SESC /RJ,ESTRUTURAR(COOPERATIVA DE ONG E ACM/SOCIAL - PRÉ-INSCRIÇÃO E INFORMAÇÕES : (21) 2611- 3103 /(21)9766-2693.
OBS. OS INTERESSADOS DEVERÃO LIGAR PARA OS TELEFONES ACIMA / bernacapacitacao@predialnet.com.br

AS VAGAS SÃO LIMITADAS, POIS O CURSO É TODO VIVENCIAL.

Enviado por: Thais Ferreira.